Reforma Política

Plebiscito Popular por uma Constituinte exclusiva e soberana do Sistema Político brasileiro!

Canal DCE

Veja os vídeos do DCE no youtube

Reforma Política

Plebiscito Popular por uma Constituinte exclusiva e soberana do Sistema Político brasileiro!

Canal DCE

Veja os vídeos do DCE no youtube

Reforma Política

Plebiscito Popular por uma Constituinte exclusiva e soberana do Sistema Político brasileiro!

'

Canal DCE

Veja os vídeos do DCE no youtube

domingo, 31 de março de 2013

Blogueiro Daniel Dantas lança livro em que analisa o discurso do blog da Petrobrás

"Discurso e argumentação no Blog ‘Fatos e Dados’ da Petrobras”, livro do jornalista Daniel Dantas Lemos, terá seu primeiro evento de lançamento durante o Congresso Internacional de Propaganda da UFRN (CONIP), que acontece esta semana de 3 a 5 de abril no auditório da reitoria da Universidade.
“Discurso e argumentação no Blog ‘Fatos e Dados’ da Petrobras”, livro do jornalista Daniel Dantas Lemos, terá seu primeiro evento de lançamento durante o Congresso Internacional de Propaganda da UFRN (CONIP), que acontece esta semana de 3 a 5 de abril no auditório da reitoria da Universidade.

O livro é uma adaptação da tese de doutorado de Lemos, que atualmente é professor do curso de jornalismo da Universidade Federal do Ceará. No trabalho, apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da UFRN em 2012, o autor analisou o Blog “Fatos e Dados” da Petrobras a partir das teorias do discurso, dos estudos da linguagem e, principalmente, da argumentação.
“A Petrobras utilizou o blog como instrumento na disputa discursiva e ideológica que teve lugar em 2009, quando foi alvo de uma CPI no Congresso”, diz Lemos. “Claro que fez uso de diversas estratégias argumentativas com o fim de ganhar a disputa no cerne da opinião pública”, complementa.

Lemos participará de uma mesa do CONIP a partir das 11 h da manhã do dia 4, quinta-feira. Em seguida, e também na parte da tarde, às 15h30, o livro será lançado com uma sessão de autógrafos. Na ocasião, “Discurso e argumentação no Blog ‘Fatos e Dados’ da Petrobras” estará sendo vendido ao preço de R$ 25,00.

Centro Acadêmico de Direito da UnP alega que foi censurado pela Direção do Curso

Por Humberto Martins, presidente  do CA de Direito Seabra Fagundes UnP

Alunos do Centro Acadêmico de Direito da UnP são censurados pela Direção do curso. Em uma Universidade o Centro Acadêmico de um curso de graduação é formado somente por alunos e tem como função primordial representar o corpo discente perante a Direção do curso e a própria instituição. Em Natal, na UnP, num curso onde a liberdade de expressão é aprendida como um direito fundamental garantido pela Constituição, essa mesma liberdade foi tolhida e, inclusive, registrada por e-mail, nesta semana.

Na última segunda – feira (25), o Centro Acadêmico de Direito encaminhou mensagem eletrônica para a Direção do curso, solicitando autorização para visitar as salas de aula e tratar com os estudantes sobre dois assuntos importantes: uma audiência pública na Câmara Municipal de Natal sobre o PROEDUC – Programa de Incentivo à Educação Universitária, e informações sobre um aulão de revisão para o Exame Integrado (EXIN), evento que será realizado pelo CA em prol da preparação dos alunos para a avaliação. Censurados, os representantes estudantis do curso de Direito da UnP receberam a seguinte resposta:


Data: 25 de março de 2013 14:57

Assunto: RES: Visita Sala de Aula

“Concedemos parcialmente o pedido, nos seguintes termos:
1) Autorização apenas para tratar sobre a revisão do EXIN; uma vez abordado outro tema será imediatamente interrompido o acesso às salas.

2) Obrigatoriamente a entrada em sala está condicionada à presença de algum representante da Coordenação do Curso (Coordenador ou SAA). Deve ser organizado pelo CA junto à coordenação. Seguem copiados os Coordenadores para ciência e organização quando provocados.”

Certo de que os tempos de Ditadura e Repressão felizmente já acabaram no nosso país, venho por meio desta, solicitar o apoio para a divulgação pública deste fato, que é um desrespeito a nós estudantes, e principalmente, através da divulgação neste meio jornalístico, zelar pela liberdade de expressão que é inerente a todo ser humano.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Estudantes da UFRN se mobilizam em prol dos índios e caboclos da comunidade Sagi-Trabanda

Campanha do Programa de Extensão, Motyrum
Desde 2007 os potiguaras de Sagi Trabanda (Baía Formosa/RN) enfrentam um processo de reintegração de posse movido pelo especular imobiliário WALDEMIR BEZERRA DE FIGUEIREDO, que tem interesse em construir um resort nas terras da comunidade. Acontece que índios e caboclos da etnia Potiguara vivem na região há mais de 100 anos, existindo na comunidade um cemitério onde repousam os restos mortais de seus ancestrais.

No dia 19 de março de 2013 a JUÍZA DANIELA DO NASCIMENTO COSMO deu ganho de causa ao empreiteiro, ignorando que a comunidade já usa a terra em disputa para subsistência muito antes da data que o empresário alega ter comprado as terras, conforme confirma testemunha do próprio Waldermir Bezerra, bem como que documento de promessa de compra e venda – prova apresentada pelo autor – não comprova posse.

Na ultima quarta feira, os indígenas de Sagi-Trabanda se reuniram com parceiros para pensar estratégias visando reverter decisão judicial que concedeu suas terras para o empreiteiro. Estiveram presentes no encontro, além da comunidade, potyguras da Paraiba, Mendonças do Amarelão, Eleotérios do Catu, estudantes da UFRN, FUNAI, APOIME, Programa Motyrum, Grupo Paraupaba, e Centro de Referência em Direitos Humanos. Na reunião ficou confirmado pelo representante da FUNAI que a Advocacia-Geral da União (AGU) vai representar Potiguaras Sagi-Trabanda, levando o processo para Justiça Federal – instancia competente para julgar questões relacionadas aos Direitos dos Povos Indígenas.

“Meu sonho é que meu povo possa permanecer em nossa terra, vivendo dela como sempre foi, e não que vá um para cada lado, perdendo nossas raízes. Meu sonho é que meu povo continue unido, vivendo da terra onda sempre vivemos.” Disse emocionada a potiguara Elaine, de apenas 16 anos, durante apresentação da comunidade para os membros do Programa Motyrum de Educação popular em Direitos Humanos/UFRN.

No dia 19 de abril haverá um grande ato público em repúdio a decisão da juíza Daniela do Nascimento, e dando visibilidade as violações de Direitos sofridas pelos povos indígenas do Rio Grande do Norte, que por muito tempo foram relegados ao esquecimento pela Historia e Instituições do RN.

Assine a petição virtual (clique aqui) e ajude a campanha.

Juventude vai às ruas de Natal por mais direitos

Em todo o Brasil, a juventude está indo às ruas lutar por mais direitos e por mudanças estruturais. A Jornada de Lutas da Juventude, organizada por dezenas de organizações juvenis e entidades do movimento social, tem como mote uma série de reformas capazes de democratizar a política, a educação, o campo, a comunicação e, dentre outros, combater todas as formas de preconceito e discriminação.

Em Natal, a Jornada de Lutas, organizada, dentre outros, pelo DCE|UFRN, saiu em caminhada da Unidade Sede do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRN), rumo à UFRN, onde foi finalizada com uma programação cultural recheada de artistas locais. Durante o trajeto até a universidade, os jovens foram apresentando suas pautas locais e nacionais.

Segundo André Cavalcante, Coordenador de Movimentos Sociais do DCE, "estamos na Jornada de Lutas contra o extermínio da juventude, a favor do pré-sal para a educação e pela ampliação de direitos. É dia de ir às ruas".

Os problemas vivenciados pela Universidade Estadual do RN (UERN) e as estatísticas que apontam para o aumento da criminalidade envolvendo os jovens em todo o Estado também foram lembrados. Para o presidente da UMES Natal, Whanderley Costa, "o governo estadual não vê a juventude como prioridade, embora sejamos um segmento estratégico para um projeto que leve em contas as potencialidades do nosso desenvolvimento. Como o poder público estadual é omisso, vê o agravamento da violência, da ausência de perspectivas porque não se investe em lazer, em escolas técnicas, em trabalho digno".

Pelas redes sociais, estão sendo divulgadas diversas imagens dos protestos que já aconteceram nas capitais e os que virão. Acesse a fã page da Jornada Nacional de Lutas da Juventude Brasileira.

No RN, o movimento foi organizado pela União da Juventude Socialista (UJS), a Juventude do Partido dos Trabalhadores (JPT), Levante Popular de Juventude, União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), Movimento dos Sem Terra (MST), pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Associação Potiguar dos Estudantes Secundaristas (APES), União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas (UMES), Pastoral da Juventude, Centro de Referência dos Direitos Humanos (CDRH), Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (FETRAF), Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB), União da Juventude Rebelião (UJR) e os mandatos do vereador George Câmara (PCdoB) e Hugo Manso (PT), de Natal, Odon Jr, de Currais Novos, do deputado estadual Fernando Mineiro (PT) e da deputada federal, Fátima Bezerra.

terça-feira, 26 de março de 2013

DCE convoca Centros Acadêmicos a se cadastrarem

O Diretório Central dos Estudantes José Silton Pinheiro, conforme deliberação consensual da sua última reunião de coordenação, dá início ao processo de cadastro dos Centros Acadêmicos com a finalidade de atualizar o banco de dados da entidade e para verificar o quorum dos Conselhos de Entidades de Base (CEB) realizados pelo DCE.

O cadastro é muito simples. Basta preencher o formulário disponível até o dia 26 de abril no nosso site. Ele pode ser acessado diretamente aqui. Segundo o Coordenador Geral do DCE, Julio Balisa, a "vitalidade do movimento universitário reside na existência dos Centros Acadêmicos, elos fundamentais entre o DCE e os estudantes e essa atualização cadastral vai permitir um melhor acompanhamento da organização da rede do movimento estudantil na UFRN".

Após a realização do cadastro, o Centro Acadêmico deve concluí-lo entregando a ata de eleição e posse da atual diretoria no próximo CEB ou enviando digitalizada para divulgacao.dce@gmail.com.

Ônibus sairá amanhã (27) da UFRN com destino ao Ato da Jornada de Lutas.


O Diretório Central dos Estudantes - DCE/UFRN convida toda comunidade acadêmica para participar da Jornada de Lutas da Juventude do RN. Será realizada nessa quarta-feira, dia 27 de Março, com uma caminhada a partir das 14h saindo do IFRN campus central com destino a Praça Cívica do Campus da UFRN onde terá o grande ato cultural, com a participação de Rosa de Pedra, Júlio Lima, Seu Zé, Vixe Maria, Arraiá, Star Music, Pau e Lata, Dj Russo, Clara Pinheiro e Fábio Rocha.


A Jornada tem a participação de diversos movimentos juvenis, apresentando uma plataforma política com foco na reforma política, reforma agrária,democratização da comunicação, redução da jornada de trabalho sem redução de salários, na luta contra o extermínio da juventude, por mais investimento na educação pública e na defesa do socialismo.



Vamos participar! Sairá um ônibus as 13h do dia 27 do Estacionamento do RU com destino ao IFRN, para os estudantes participarem do ato político.



Danyelle Rosana Guedes
Aluna do Curso de Pedagogia da UFRN 


Bolsista da Coordenação do PIBID
Coordenadora Geral do DCE - Gestão "Cantamos, porque um grito só não basta!" 2012-2013

segunda-feira, 25 de março de 2013

UFRN seleciona para bolsa residência de pós-graduação e auxílio creche e óculos


A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PROAE), publicou editais referentes aos processos seletivos para Auxílio Creche e Auxílio Óculos no Campus de Natal, no Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES) e na Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (FACISA), além de Bolsa Residência de Pós-Graduação para Natal.

O Auxílio Óculos visa a subsidiar as despesas para aquisição de lentes corretivas, respeitando a periodicidade mínima de 12 meses para cada solicitação. Serão disponibilizados 150 benefícios no valor de R$ 200. As inscrições estão abertas até segunda-feira, 25 de março.

O Auxílio Creche tem o objetivo de ajudar nas despesas referentes à manutenção da creche para crianças de zero a seis anos, através da disponibilização de recurso financeiro no valor de R$ 100. O benefício será concedido, semestralmente, para até 100 alunos durante cinco meses, com renovação de mais cinco meses. Abertas no último dia 20 de março, as inscrições continuam, também, até 25 de março de 2013.

Já a Bolsa Residência da pós-graduação para o primeiro semestre deste ano foi solicitada entre os dias 15 e 21 de março, mediante adesão ou atualização do Cadastro Único e registro de interesse nesta bolsa pelo Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SIGAA). As inscrições, abertas nesta quarta-feira, 20, continuam até a segunda-feira, 25, e a entrevista social e a apresentação de documentos acontecem de 25 a 27 de março.

Os editais estão disponíveis no SIGAA e as inscrições também devem ser feitas por meio de uma solicitação on-line pelo endereço www.sigaa.ufrn.br.

Fonte: UFRN.br

sábado, 23 de março de 2013

Carta Aberta de Antonio Alves

Antônio, no protesto realizado hoje (23), em Caicó

Muitas são as dificuldades que os universitários do CERES/CAICÓ enfrentam: uma infraestrutura decadente, o exíguo auxílio que recebem da PROAE (como se fosse esmola), o abismo que verifica entre o campus central e o referido centro universitário, os ínfimos recursos oferecidos (migalhas), coisas básicas e simples que demoram dias, até meses para chegar, entre outros problemas que se apresentam como obstáculos para impedirem a permanência dos estudantes na universidade, o que é um direito nosso, uma realidade que até espanta quem não a conhece. 

A situação do UFRN/CERES/Caicó é precária e vergonhosa para carregar o título de melhor universidade do NORTE-NORDESTE, o que faz nos perguntar: que universidade melhor do NORTE-NORDESTE é essa que não oferece um mínimo de respeito e dignidade para os seus estudantes? A política de interiorização é uma utopia? Onde está o respeito pelos os que compõem o campi de Caicó, discentes, docentes, servidores? 

Nós também fazemos parte da UFRN e queremos os nossos direitos, assim como também cumprimos com os nossos deveres, estamos cansados de sermos oprimidos e humilhados diante de tais fatos. Chegou a hora da reitora tomar posição e decisões para mudar este realidade nua e crua. Não podemos continuar a viver assistindo aulas com salas que mais parecem uma sauna, não podemos continuar com a ameaça do teto de um laboratório desabar na cabeça dos que ali realizam algum tipo de trabalho, não podemos conviver com a uma estrutura tão pobre que mais parece um castelo mal-assombrado, não podemos aceitar mais isso, cansamos de ficarmos inertes, conformados.

É hora da excelentíssima (vou deixar no diminutivo, pois é assim que ela está se fazendo para nós) senhora reitora sentar e ouvir nossas reivindicações, de parar de minimizar a importância do CERES/Caicó para a UFRN. O CERES/Caicó está carente de cuidados, o menino dos olhos dos seridoenses está aqui clamando por socorro. É deste centro universitário que já saíram tantos graduandos que hoje se sobressaem profissionalmente, na academia mesmo, muito graduandos que daqui saíram hoje carregam títulos de doutores e ensinam nesta mesma universidade. 

Não posso trabalhar neste texto com a esquemática conclusão, pois um movimento, uma revolução nunca está concluída, ela está se (re) fazendo a todo o tempo, seria um erro de minha parte finalizar esta carta aberta, uma vez que ela ainda será escrita por muitos outros, só espero que não seja abordado os mesmo problemas, mesmo sabendo que palavras muitas vezes não conseguem traduzir o que se realmente se passa eu teimo em encerrar o meu relato com uma frase libertária da banda Flicts: Resistir é a nossa razão de existir! Resistir e acordar os que querem dormir!

Antônio Alves
Universitário e Residente em Caicó

sexta-feira, 22 de março de 2013

Ato político e cultural da Jornada de Lutas da Juventude Potiguar (27/03)



A fragmentação das lutas juvenis é um fenômeno moderno que está inserido no contexto da fragmentação das lutas sociais, num período marcado pela dificuldade de se construir consensos programáticos e unidade na ação política. A divisão no interior do movimento sindical e estudantil, bem como o surgimento de novos movimentos sociais com pautas setoriais e bastante específicas é um sintoma do fenômeno destacado. 

Se durante a década de 90 era possível construir unidade em torno do combate ao projeto neoliberal em curso no Brasil, o início do século XXI e a eleição de Luís Inácio Lula da Silva desencadearam diferentes formas de diálogo e de construção da luta política. As pautas corporativas ocuparam cada vez mais destaque, em detrimento de uma plataforma política capaz de superar os limites da democracia parlamentarista e do governo de ampla coalizão liderado pelo PT.

Entretanto, o ano de 2013 se iniciou com uma convocação inusitada que pode representar um marco político importante no que diz respeito à tentativa de se construir consensos programáticos e unidade na ação política. Trata-se justamente da Jornada de Lutas da Juventude Brasileira, convocada por juventudes partidárias e diversos movimentos juvenis, apresentando uma plataforma política com foco na reforma política, reforma agrária, democratização da comunicação, redução da jornada de trabalho sem redução de salários, na luta contra o extermínio da juventude, por mais investimento na educação pública e na defesa do socialismo. Trata-se de um momento ímpar de debate e mobilização que vem sendo construído em diversos estados brasileiros, inclusive no Rio Grande do Norte, onde a jornada também incorpora a bandeira do “Fora Rosalba!”.

O dia 27 de março será um dia de luta no RN, um dia em que diversas juventudes do campo e da cidade ocuparão as ruas de Natal para apresentar suas bandeiras de luta e dizer que, apesar dos avanços conquistados na última década, queremos muito mais!

Participe do ato político e cultural da Jornada de Lutas da Juventude Potiguar, a ser realizado dia 27 de março (quarta-feira), às 14h, em Natal/RN. Seguiremos em marcha do IFRN (Av. Salgado Filho) à Praça Cívica do campus da UFRN, onde encerraremos o ato com diversas apresentações artísticas e intervenções políticas.

Juventude que ousa lutar constrói o poder popular!


Retirado de: JPTRN.com.br

Estudantes denunciam qualidade da refeição fornecida no CERES

Estudantes da Residência Universitária do CERES/UFRN promoveram um protesto hoje (21) contra as condições da alimentação fornecida aos residentes. Eles já agendaram mais uma mobilização para o próximo sábado, dia 23, às 7 horas. O protesto sairá da sede do Centro Administrativo da prefeitura de Caicó.

Segundo Antônio Alves, do bacharelado de História, "reivindicamos uma comida de boa qualidade, um mínimo de respeito e dignidade por parte da PROAE, tendo em vista o descaso que essa Pró-Reitoria está tendo diante dos relatórios sobre a alimentação fornecida para nós". Conforme afirmou Fátima Silva, também estudante de História do CERES, "há mais de dois anos que reclamamos e nenhuma providência foi adotada".

Ensopado de peixe, segundo os estudantes, "mal preparado".
Ainda para Antônio, é possível constatar, servida nos refeitórios, "alimentação por vezes crua, claramente de baixa qualidade e mesmo comida requentada, chegando ao cúmulo de haver alimento vencido desde maio de 2012". Fátima confirma e define a alimentação como "mal preparada, de cheiro forte e, em alguns casos, nota-se a presença de insetos, cabelos e mesmo carrapixo já foi encontrado". O estopim, segundo ela, "foi o fiscal ter encontrado alimentos com data de validade vencida, mas esse foi apenas um dos casos pelo qual já passamos".

Embora procurada, as saídas encontradas pela PROAE, segundo os estudantes, "sempre foram paliativas". Nesta quarta, conforme Fátima, o Coordenador de Esportes da UFRN, Douglas, foi até os estudantes pedir calma e falar na organização de uma calourada. "Sinceramente, achamos uma falta de respeito", definiu a estudante.

Já foram enviados assinaturas, fotos e slides mostrando a situação e a resposta dada aos estudantes é a de que estão sendo buscadas as melhorias, mas nenhuma mudança foi sentida pelos residentes. O protesto é mais uma forma de mobilizar a opinião pública e questionar a permanência de um problema básico de uma das principais universidades do Nordeste.

Veja mais:

O que nos mobiliza no #BoicoteACantina

Por Ramon Alves
(Gestão de Políticas Públicas-UFRN)

Começou nesta semana, organizado pelos Centros Acadêmicos de Letras, Gestão de Políticas Públicas, Comunicação Social, Filosofia, Psicologia e Geografia, a campanha de boicote à cantina do Setor II, que consiste, além da realização do próprio boicote, em mobilização pelas redes sociais, distribuição de panfletos e adesivos e venda de lanches a preço de custo. Por si só, pelo que simboliza enquanto capacidade de iniciativa e organização, e por pautar um tema que é do interesse geral dos estudantes, essa campanha carrega um mérito extraordinário.

Não é um fato recorrente na universidade que tantos Centros Acadêmicos se unam para debater um tema de interesse comum, que se organizem e dediquem seu tempo para tanto. Não é, também, um movimento de iluminados levando a verdade para o conjunto da universidade, mas de representantes estudantis sensibilizados com uma sucessão de reclamações e questionamentos quanto ao tratamento da responsável pela cantina, ao preço e aos produtos oferecidos por ela. É desnecessária alguma habilidade especial para compreender a rejeição que a lanchonete possui entre os estudantes. 

Não é, sobretudo, opiniões individuais que, isoladamente, legitimam ou deslegitimam a luta. Alguns dirão "ela me trata super bem", mas há outros que não dizem isso, dizem o contrário. O respeito ao estudante não pode ser resultado de um sorteio ou de clima momentâneo, deve ser a regra.

Há os que criticam o movimento por ele tratar de uma questão tão específica quanto a cantina, como se nós devêssemos apenas debater e reivindicar questões como a crise financeira global, a qualidade dos empregos no Brasil e a expansão da universidade, ignorando a dialética presente entre as questões micro e as macro.

Está presente também, em uma rara crítica ao movimento, a ideia da "esquerda medíocre", dos "fins meramente pessoais e partidários", expressões que só podem ser desenvolvidas por quem não viu o movimento surgir, desde as redes sociais até o momento em que os CA's tomaram posição e definiram ações para encarar o problema. Há também uma defesa vazia do trabalho pelo trabalho, mesmo sendo ele precário e mesmo sendo a trabalhadora submetida a uma grau de relação trabalhista que afronta a sua condição humana.

O centro da luta política é a redução dos custos da cantina, por meio da revisão do contrato de utilização do espaço onde essa funciona, como também que se ofereça uma diversidade de lanches, garantindo opções saudáveis e com menor preço. Auxilia e reforça o movimento a questão do tratamento às pessoas, resolução que não se baliza pela opinião individual isolada, mas por várias opiniões que corroboram nessa linha. Por outro lado, buscaremos que estudantes, cantina e Pró-Reitoria de Administração possam sentar-se à mesa e construir uma saída para essa insatisfação.

Os Centros Acadêmicos estão de parabéns e o reflexo disso é a participação dos estudantes, a forte adesão ao movimento e a busca de colegas de outros setores para que o movimento #BoicoteACantina possa questionar o funcionamento das suas lanchonetes. É nesse clima positivo que nesta sexta fecharemos uma semana de muitas vitórias e com o setor II elevando seu capital social, orgulhando pela sua energia e vitalidade.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Começou, no Setor II, o #BoicoteACantina

Os Centros Acadêmicos de Geografia, Comunicação Social, Gestão de Políticas Públicas, Filosofia, Psicologia e Letras deram início, nesta quarta-feira, ao movimento #BoicoteACantina, que consiste, além do próprio boicote, em promover um abaixo-assinado pelos corredores do Setor II a ser entregue à Pró-Reitoria de Administração, em venda de alimentos a preço de custo (salgado a 1 real) e em campanha via redes sociais. Até a próxima quarta (20), os Centros Acadêmicos estarão divulgando a campanha, distribuindo panfletos e adesivos.

Para Thiago Lima, do Centro Acadêmico de Gestão de Políticas Públicas, o boicote é uma oportunidade de demonstrar a insatisfação dos estudantes e demarcar a posição que é a da maioria do Setor II. Segundo ele, "a passagem que realizamos nas salas de aula confirmou ainda mais a intensidade do problema, momento em que incorporamos novas e importantes questões a serem debatidas e reivindicadas junto à universidade".

A campanha irá até o próximo dia 27 e até lá os CA's prometem muita mobilização, conversa nas salas e corredores para enriquecer e qualificar ainda mais a campanha.

Participe! Confira, curta e compartilha o álbum na nossa fã page.

terça-feira, 19 de março de 2013

Câmara Municipal recebe o curso de Gestão de Políticas Públicas em Audiência

Audiência aconteceu nesta terça (19)
A Câmara Municipal realizou na manhã desta terça-feira (19) uma audiência pública com o objetivo de debater “a importância do curso de Gestão de Políticas Públicas para a implementação das políticas públicas com eficiência”. O debate foi proposto pelo vereador George Câmara (PCdoB) e ocorreu no plenário da casa com a participação de estudantes, professores e da sociedade geral interessada na discussão do tema.

Estiveram presentes à mesa o representante do Centro Acadêmico Djalma Maranhão, Djailton Gomes; a Secretária Adjunta de Planejamento, Milízia Brandão; Alan Daniel, coordenador do curso de GPP; a professora-chefe do Departamento de Políticas Públicas da UFRN, Lindijane Almeida e o graduado em Gestão de Políticas Públicas, Carlos Augusto.

A audiência foi solicitada pelo Centro Acadêmico. Dentre as questões apresentadas, está a realização de concurso público para Especialista em Políticas Públicas, previsto no Plano de Carreiras do Município; a promoção de uma política de estágios no âmbito municipal e a revisão do próprio Plano de Carreiras, para prevê a relação do cargo com o curso de Gestão de Políticas Públicas. A Secretária Adjunta comprometeu-se em repassar as reivindicações para a Secretária, Virgínia Ferreira, e agendar uma audiência para que os representantes do curso possam entregar sua pauta.

O Coordenador de Articulação do CA, Djailton Gomes, afirmou "que esse é o primeiro passo para o reconhecimento do nosso curso no âmbito municipal, mas que o Centro Acadêmico ainda vai desenvolver outros diversos esforços para garantir que as promessas saiam do papel e os estudantes que se graduam nesse curso possam ser reconhecidos". Segundo ele, "ganha a sociedade com um profissional que, na gestão pública, reconhece a importância dos instrumentos de planejamento, da institucionalização da participação social, dentre outros".

Acesse aqui o álbum da Audiência Pública.

segunda-feira, 18 de março de 2013

A trial dos livros digitais da Ebrary disponível até 31/03

A trial dos livros digitais da Ebrary está disponível até 31/03/2013 com todas as funcionalidades ativadas. Porém para baixar os livros por até 14 dias, prazo que a publicação fica disponível para os usuários, há um procedimento inicial que consiste nas etapas abaixo, que serão feitas apenas uma vez: 

 I - Criar uma conta de usuário na Ebrary (cada usuário deverá clicar em Sign In ou Entrar no canto superior direito da página); 

 II - Fazer download do programa gratuito Adobe Digital Editions e criar um login e senha em www.adobe.com ; 

III - Clicar em "Download" em qualquer livro que tenha esse botão (a imensa maioria), baixar a chave do livro e arrastá-la para dentro do Adobe Digital Editions, para iniciar o download; 

 IV Cada usuário poderá baixar, a qualquer dado momento, até 10 livros, que poderão ser renovados indiscriminadamente.

Em caso de assinatura, os livros podem ser baixados temporariamente (por até 14 dias por vez) além da consulta online, e dessa forma ficar disponíveis offline durante esse período, sem a necessidade de estar conectado à internet. Além disso, estão disponíveis gratuitamente aplicativos para dispositivos Android e Apple que facilitam sobremaneira o acesso à biblioteca Ebrary e também a leitura dos livros.  

Também está disponível a opção de impressão de lotes de páginas ou até capítulos inteiros (a depender da política editorial de cada editora para cada livro), o que permite também a leitura em papel. 

 O link de acesso está na página da BCZM 

Direção da BCZM

Movimentos juvenis se encontraram no seminário de formação da Jornada de Lutas da Juventude Potiguar


O auditório da Reitoria da UFRN se coloriu de diversidade no último sábado (16/03), durante o seminário de formação da Jornada de Lutas da Juventude Potiguar. Juventudes partidárias, movimentos sociais e entidades juvenis discutiram a plataforma política da jornada de lutas no RN, bem como planejaram a realização de um ato político e cultural dia 27 de março (quarta-feira), para dar visibilidade às bandeiras de luta da juventude potiguar.

Na mesa de abertura, representantes da UNE, CUT, MST, Intervozes e Levante Popular da Juventude iniciaram o debate sobre os cinco eixos que constituem o manifesto da Jornada de Lutas da Juventude Brasileira, aprovado numa grande plenária nacional realizada em São Paulo. Após a mesa de abertura os grupos de discussão aprofundaram o debate e acrescentaram bandeiras de luta que dizem respeito à realidade estadual, como por exemplo a necessidade de derrotar o governo fascista e retrógrado do Democratas.

Jovens de variadas representações unem-se por uma só causa.

Durante a tarde, os grupos de discussão apresentaram as bandeiras propostas e se construiu uma plataforma política capaz de unificar as juventudes partidárias, movimentos sociais e entidades juvenis na construção da jornada de lutas no RN. Dia 27 de março será um dia de muita luta, quando apresentaremos ao RN os anseios da juventude potiguar e a necessidade de se construir um outro mundo possível. Juventude que ousa lutar, constrói o poder popular!

Retirado de JPTRN.com.br

domingo, 17 de março de 2013

Os estudantes da UFRN e a questão cultural

Eles são estudantes da UFRN e desenvolvem iniciativas no âmbito cultural. Cedric Mathews é estudante de Rádio e TV e membro da Banda Medida Provisória, a que abriu a última calourada do DCE; Cecília Oliveira é estudante de Dança e Denilson David cursa Teatro. O blog do DCE conversou com os três para saber a opinião desses estudantes sobre os espaços culturais da universidade e da própria cidade. Confira!

Cedric Mathews com a sua banda, Medida Provisória
A Universidade Federal do Rio Grande do Norte possui uma gama de cursos voltados à produção cultural. São esses: Teatro, Dança, Artes Visuais, Música e Design. Além desses espaços acadêmicos,  há iniciativas produzidas por estudantes de vários cursos, como foi possível constatar, a título de exemplo, através da Calourada do DCE, cujas bandas contavam com vários integrantes da universidade. Há, ainda, “projetos de extensão que buscam aprofundar as construções acadêmicas e dar oportunidade a outras pessoas que não fazem parte do contexto universitário de estarem inseridas nos projetos”, lembra o estudante Denilson David. Ele cita as bandas musicais e os grupos de comédia stand up para mencionar a diversidade que existe para além do Departamento de Artes.

No entanto, para o estudante de Teatro da UFRN, “falta incentivo, investimento e sensibilidade por parte dos órgãos competentes para perceber que a arte está sendo sufocada dentro da universidade, tornando extremamente importante que a relação entre o mundo acadêmico e a sociedade, do ponto de vista da difusão cultural, seja feita com qualidade”, afirmou.

Na avaliação de Cecília, do curso de Dança, o problema da questão cultural na UFRN não está no quesito estrutura. “Não reclamo dessa questão, não que talvez não haja problema, mas a minha atenção, neste momento, se transfere para a burocracia pela qual temos que passar para termos acesso tanto ao espaço, como às tecnologias existentes nele”.

Ela e Cedric Mathews compartilham a opinião de que há pouca divulgação das iniciativas por toda a universidade. Para a estudante de Dança, "os meios virtuais de comunicação e divulgação substituíram, por exemplo, os murais da universidade". Já Cedric considera que raramente vê "algum evento cultural na UFRN que tenha uma boa divulgação, isso se eu vir a divulgação, porque, às vezes, o evento vem e eu nem me dou conta. Quando eu vejo, já foi".

Deart, Escola de Música e a Universidade

Perguntado sobre a interferência provocada pelo isolamento do DEART e da Escola de Música em relação ao conjunto do campus, Denilson avaliou que o “isolamento físico é o menor dos problemas diante da ausência de iniciativas, de eventos, espaços e festivais para que a propagação do que se produz efetivamente ocorra”. Ele reivindica uma política “em conformidade com os artistas da universidade voltada para que as barreiras da arte sejam rompidas para que essa chegue aos demais recantos da UFRN”.

Denilson, em Capitães de Areia. Teatro
Alberto Maranhão
Cecília opina que tais barreiras não são coincidências, mas uma ação deliberada de “quem planejou a estrutura física da nossa universidade”. Para ela, a separação da arte das demais relações acadêmicas da universidade era uma “coisa oportuna para eles”. “Pessoas críticas, que indagavam a realidade de um lado, e pessoas que provavelmente serviriam ao sistema, de outro. Esse pensamento trouxe consequências muito significativas nos dias de hoje. Como mudar isso? Primeiro, na diminuição do preconceito contra os artistas, por suas roupas, pelos seus dread, pelas tatuagens, etc. Segundo, alguma mobilização que tragam as pessoas para o nosso departamento, para que assistam às nossas apresentações, produções, eventos, etc. Por fim, a circulação de nossa arte por toda a UFRN”, finalizou.

A Arte e a Cidade

Para conciliar a produção universitária com a cidade, constituindo iniciativas que interliguem uma à outra, Denilson David sugere resolver "a fata de divulgação e de espaços para a exposição dentro da própria universidade, o que seria, então, uma maneira de articular e fortalecer para levar o que é produzido para outros pontos da cidade". Há também, "os projetos de extensão que já fazem essa ligação entre a UFRN e a cidade, mas é perceptível que é preciso avançar ainda mais".

Cecília, em apresentação
Cecília vê essa relação como um desafio, mas que é possível de ser resolvida. “Quando entramos na universidade, esquecemos um pouco das coisas externas. No entanto, existem projetos de extensão que propõem exatamente essa relação com a comunidade. No curso de Dança, todos os projetos de extensão são abertos às pessoas externas a ela. Grupos de dança, capoeira, perfomance, contato e improvisação, entre outros, são abertos para quem quiser participar”. Cecília conclui afirmando que “ir até à comunidade seria uma boa, mas muitas vezes elas não têm estrutura para nos receber. Trazer pessoas de fora para conversar, incentivar um pouco o desprendimento da universidade e a divulgação, que é, ainda, a alma do negócio”.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Seminário de formação da Jornada de Lutas da Juventude Potiguar ocorre próximo sábado (16/03)




Esforço de síntese programática e de construção de unidade na ação política, esta tem sido a tônica da construção da Jornada de Lutas da Juventude Brasileira. No Rio Grande do Norte não será diferente, por isso as juventudes partidárias e movimentos juvenis convocaram um seminário de formação para construção da jornada de lutas da juventude potiguar.


A programação terá início próximo sábado (16/03), às 08h, no auditório da Reitoria da UFRN, com uma mesa de debate sobre a conjuntura abordando os 5 eixos temáticos da jornada. As reformas estruturais representam o foco da plataforma política da jornada, da reforma política à reforma agrária, passando pela democratização das comunicações, por mais investimento na educação pública e pela redução da jornada de trabalho.

Convocamos todos os movimentos e organizações juvenis a participar do seminário de formação da Jornada de Lutas da Juventude Potiguar, onde planejaremos também um grande ato público a ser realizado entre 25 de março e 01 de abril. 

Fonte: JPTRN.com.br

Seminário sobre Mobilidade Urbana e Região Metropolitana.

As modificações, inclusão ou exclusão de rotas, melhoria do sistema e readequação das tarifas no transporte público em Natal não tem data para serem adotadas. Isto porque o processo de licitação do novo sistema de transporte de passageiros da capital, que irá regular o setor, sofreu um revés e voltou à estaca zero. O Projeto de Lei nº 72/2012, encaminhado pela então prefeita Micarla de Sousa para apreciação da Câmara de Vereadores em agosto de 2012, passou sete meses parado e, no início deste mês, retornou à Procuradoria-Geral do Município (PGM) para avaliação da viabilidade técnica e econômica do que fora outrora proposto pelo Executivo Municipal. 

Emanuel AmaralA licitação, quando realizada, deve definir novas rotas, melhoria do sistema e  readequação de tarifasA licitação, quando realizada, deve definir novas rotas, melhoria do sistema e readequação de tarifas

Isto feito, o processo será revisto e novos estudos deverão ser realizados para avaliar as proposições da gestão passada, readequar e/ou incluir novas demandas. "A gente entende que o projeto está comprometido. Agora, a equipe técnica da Semob irá reavaliar e encaminhar ao Executivo Municipal um novo projeto para apreciação da Câmara", explicou o vereador Júlio Protásio, líder do governo municipal na Casa Legislativa. Além do edital de licitação do transporte público, o projeto de lei deverá contemplar a descrição, operacionalização e objetivos do Plano de Mobilidade Urbana de Natal (PMUN). O projeto será uma espécie de manual para a gestão do sistema de transporte público na capital.

Desta vez, quem comandará a avaliação do tráfego e disponibilidade das linhas de ônibus na capital potiguar é a secretaria municipal de Mobilidade Urbana, Elequicina dos Santos. Com esses novos estudos, que serão realizados por técnicos próprios da Semob, um novo plano gráfico e descritivo que contemplará a abertura de licitação para a operacionalização do transporte público de passageiros em Natal será encaminhado ao prefeito Carlos Eduardo. Este, por sua vez, será o responsável pela redação do projeto de lei a ser encaminhado para apreciação da Câmara de Vereadores.

Somente com a aprovação das disposições constantes no projeto, a Semob poderá abrir o procedimento licitatório. No âmbito da Secretaria, a responsável pelo Setor de Licitações, Lúcia Rejane Xavier, evita falar em datas. "Por recomendação do Ministério Público, estamos revendo o processo de licitação. Estamos conhecendo o processo e não concluímos a análise. Não iremos falar parcialmente", asseverou. A expectativa, porém, é de que um relatório preliminar sobre o processo seja encaminhado à titular da pasta até o final deste mês.

DENÚNCIAS

A recomendação referenciada por Lúcia Rejane Xavier partiu da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público ainda em 2012, quando das investigações dos supostos desvios de recursos e corrupção no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que culminaram com a deflagração da Operação Assepsia, em junho passado. Nas escutas telefônicas e telemáticas realizadas durante as investigações, os promotores de Defesa do Patrimônio Público identificaram o suposto envolvimento do então secretário de Planejamento, Antônio Luna, com membros da Oficina Consultores, empresa contratada pelo Município por quase R$ 1 milhão para fazer confeccionar o edital da licitação. 

As denúncias do Ministério Público Estadual levantando suspeitas quanto ao tráfico de influência e vícios na escolha da Oficina Consultores foram encaminhados à Justiça Estadual, que suspendeu o processo licitatório através de decisão monocrática do juiz Cícero Martins de Macedo Filho, da 4ª Vara da Fazenda Pública. A secretária municipal de Mobilidade Urbana, Elequicina dos Santos, foi procurada para comentar o assunto mas não foi localizada. 

Mobilidade na Grande Natal é tema de debate

Para reunir interessados em discutir soluções para os problemas da Mobilidade Urbana na Grande Natal, a Fetronor juntou-se ao Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e à Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal, para realizar na próxima segunda-feira (18), um seminário para discutir a Lei da Mobilidade Urbana. O foco será a Lei 12.587/2012. O evento também contará com a participação de representantes da OAB/RN, Departamento de Estradas de Rodagem/Governo do Estado, Assembleia Legislativa e Parlamento Comum da Região Metropolitana. O seminário sera aberto às 9h, com uma palestra do engenheiro João Alencar Oliveira Júnior (Ministério das Cidades) e um dos autores da Lei da Mobilidade Urbana.

SERVIÇO

Seminário: Mobilidade Urbana e Região Metropolitana

Data: Segunda-feira - 18 de março

Local: Auditório do Sest Senat Natal - Avenida Omar O'Grady (prolongamento da Prudente de Morais) - Pitimbu

Horário: 8h30

Inscrições gratuitas: 3234-2493 ou 

pelo e-mail fetronor@fretonor.com.br

Memória

Prefeitura analisa outros projetos

De acordo com o vereador Júlio Protásio, todos os projetos de lei apresentados pela gestão Micarla de Sousa, que além dela teve mais três prefeitos em exercício - Edivan Martins, Ney Lopes Jr e Paulinho Freire - foram retirados de tramitação na Câmara dos Vereadores. Todos serão avaliados pela Procuradoria Geral do Município para verificar se ainda interessam e qual viabilidade técnica e econômica terão para o Executivo Municipal. Caso sejam descartados pela atual gestão, os projetos de lei deverão ser arquivados pela Câmara Municipal.


Fonte: http://tribunadonorte.com.br/noticia/licitacao-esta-sem-data-certa-para-ser-retomada/245280

Artigo: Por que lutamos? - Por Ramon Alves*


Frequentemente, nós, militantes do movimento estudantil, escutamos de amigos e pessoas mais próximas indagações sobre os motivos que nos levam a nos organizar politicamente, participando do movimento social e defendendo nossas ideias "sem ganhar nada com isso", como se tudo se limitasse a uma mera vantagem ou desvantagem financeira. "A mala preta deve ser muito volumosa", dizem os mais alvoroçados.

Qual é o valor de uma vida que já aparece construída para todos nós desde o primeiro momento em que a sentimos? A humanidade (aliás, uma ínfima parte dela), ao longo do seu desenvolvimento histórico até os dias atuais, delineia como pensaremos, quais serão os nossos preconceitos, dramas pessoais e necessidades. Todos nascemos prontos a sermos moldados, embora nem todos se mantenham dentro da jaula (pelo menos completamente) que nos é imposta.

Ou é natural que os homens e mulheres se encantem com um iphone novo e não consigam notar e se indignar com um semelhante na miséria? Ou natural a sociedade do patriarcado, que ignora a capacidade e os desejos da mulher e destila preconceito e ódio contra expressivas camadas populacionais? Não é esse o nosso natural, mas o é para um modelo de organização da sociedade que na sua base fundamental, a econômica, necessita da desigualdade para existir.

Respondo às indagações questionando o sentido da vida tal como ele se apresenta para nós. Necessariamente, a média da população é levada a se adaptar àquilo que a televisão apresenta. Para a ordem vigente, a juventude precisa situar-se o mais próximo possível dos estereotipados personagens de Malhação. As novelas padronizam comportamentos, falas, modo de se vestir e de consumir de imensas parcelas sociais. Não há reflexão, mas uma inserção automatizada das pessoas nessa maneira de construir relações e de viver.

Ser feliz é abocanhar sua fração de consumo global. Consumo tal que iguala as mesmas aspirações de um garoto em Felipe Camarão e outro em Nova Iorque, tornando-se fator crucial para o acirramento da violência. Conforma-se assim a justaposição da pobreza sobre a necessidade de consumo da nossa assimétrica sociedade, em que a opulência e a injustiça passam diariamente por debaixo do nariz dos mais pobres - nas ruas e na televisão.

No mundo, embora estejamos no auge da nossa capacidade produtiva, 1 bilhão de pessoas passam fome enquanto a humanidade detém tecnologia, riqueza e conhecimento para saldar essa e outras estatísticas nada civilizadas. Não há lugar para todos e mesmo os que estão com seu lugar garantido hoje não podem confiar que estarão mais na frente.

A exemplo disso, como será ser um jovem espanhol, país onde 6 em cada 10 pessoas na faixa dos 18 aos 24 anos ingressa na universidade, e enfrentar um desemprego estrutural, sem luz no final do túnel, e onde, mesmo quando se encontra emprego, este é precário e mal remunerado, via de regra? Não é diferente para os jovens gregos ou portugueses. Este é o mundo em que as crises econômicas, provocadas pela ganância humana, desenvolvem sentimentos xenófobos quando e onde deveriam produzir solidariedade. O caso mais recente envolve a relação entre alemães e gregos.

A luta política, o desejo e o entusiasmo pela transformação não são fins em si, não são  elementos estéticos para afirmação social ou algo que o valha, mas um processo de mudança individual e coletiva, de conhecimento e de valorização de características que nos aproximam da real natureza do ser humano. É nessa dialética que aprendemos a lidar com os diferenças e sobretudo respeitá-las.

Respondendo à pergunta do título: é na militância política que nos libertamos enquanto seres humanos e nos reconhecemos como tal. É nela, na paixão intensa que desperta naqueles que acreditam nos seus sonhos, que a vida se realiza de forma plena em sentido.

* Vice RN da UNE e Coordenador de Articulação do Centro Acadêmico de Gestão de Políticas Públicas

quarta-feira, 13 de março de 2013

Acordo firmado entre DCE, SEMOB e SETURN entra inteiramente em vigor.



Foi conquista do DCE e de todos os estudantes da universidade, não só mais um ônibus para rodar na linha Circular Campus, como também 2 (dois) ônibus com acessibilidade nesta linha. O acordo de ter 07 veículos em circulação começou a ser cumprido desde quando foi firmado, porém por meio de matéria feita pelo DCE/UFRN no dia 21 de fevereiro foi constatada a falta do 2º ônibus acessível. 


No dia de hoje conversamos com o fiscal da SEMOB e nos foi informado que agora sim, o 2º veículo com acessibilidade estaria rodando. Então agora sim, o acordo foi totalmente cumprido por parte da SEMOB, SETURN e empresas de ônibus da cidade do Natal. 

Sabemos o tamanho da conquista, mas também, principalmente, a importância de se conquistar mais! A luta continua, pois até que tudo cesse, nós não cessaremos!

terça-feira, 12 de março de 2013

Militantes repercutem reportagem do blogueiro Daniel Dantas

A #RevoltadoBusao sacudiu a cidade no 2º semestre de 2012
A semana começou turbulenta para o movimento social da cidade. A reportagem divulgada pelo blog do Daniel Dantas, de que os militantes do movimento #RevoltaDoBusao estariam sendo monitorados pela Polícia Civil do RN, ganhou as redes sociais locais e nacionais, que questionam a volta dos métodos aplicados pela Ditadura Militar, quando a militância política era, por si só, motivo de investigação e fichamento nos órgãos policiais.

Até mesmo um grupo de extensão foi alvo de monitoramento, o Lições de Cidadania da UFRN. Lideranças estudantis da universidade, como a Coordenadora Geral do DCE, Danyelle Guedes, e o Vice Regional da UNE, Ramon Alves, também estão na lista divulgada. O próprio autor da denúncia, Daniel Dantas, é um dos citados. O grupo recebeu imediata manifestação de solidariedade de outros militantes, colegas e mesmo de desconhecidos.

Segundo o diretor da União Nacional dos Estudantes, Ramon, o alvo escolhido deveria ser outro: a governadora. "Ela sim é merecedora de uma investigação para que saibamos por que o governo não conclui a UERN Zona Norte e não constitui a rede de escolas técnicas, mas tem agilidade para indicar um parente de correligionário para desembargador do TJ". Para ele, "não há surpresa quanto à lista pois o governo já mostrou em momentos anteriores que tem DNA autoritário, mas essa postura não deve ser vista como natural e merece o repúdio da sociedade, pela sua essência".

"Sinto-me violado"

Esse é o sentimento do militante dos movimentos sociais, Dayvson Moura. Ele afirmou que a divulgação da reportagem envolvendo seu nome "não é, senão, resultado do patrulhamento ideológico e o uso da máquina pública para coação daqueles que fazem oposição ao governo Rosalba". Dayvson considera que não há "coincidência de que os nomes listados possuam posicionamento contra a situação e o tratamento toma relação às suas responsabilidades". Ele conclui dizendo que "minha intimidade, meu nome, minha honra, minha luta, minha família, meus amigos... tudo foi vítima de uso incorreto da inteligência do Estado que mal consegue resolver os problemas  criminais e agora, se detém a procurar crimes de opinião em internet".

Estudante da UniRN questiona o monitoramento da Polícia Civil

Renato Pontes é estudante de graduação do curso de Direito da UNI-RN e está no topo da lista que identifica nome e perfis do facebook no papel timbrado da Polícia Civil. Para ele, "ficou claro que a Polícia está monitorando os militantes sociais não só nas redes, mas também nas próprias manifestações". O militante destacou que "o pedido de quebra do sigilo dos investigados #RevoltadoBusão foi o ápice desse monitoramento, com tentativa de respaldo judicial". Renato considera que o governo do DEM comete "mais uma tentativa de criminalizar as manifestações populares".

Blogueiro questiona autoritarismo do governo

O blogueiro Daniel Dantas Lemos, autor das denúncias em seu blog, afirmou: "Quarenta anos atrás meu pai, Rubens Lemos, era um procurado - fichado pelo DOPS e depois torturado no DOI-CODI - porque fez a opção de lutar contra a ditadura de arma em punho. Somos investigados hoje porque usamos como arma nossas idéias, palavras, blogs. Porque protegemos os companheiros transmitindo os atos por twitcam para refrear os abusos repressivos. Um absurdo do arremedo de democracia autoritária que o governo do DEM implantou no RN desde o instante que proibiu manifestações populares no Centro Administrativo".

segunda-feira, 11 de março de 2013

CA's do Setor II encaminham mobilização sobre a cantina

Reunião na sala do Centro Acadêmico de GPP
Reuniram-se hoje (11) na sala do Centro Acadêmico de Gestão de Políticas Públicas, os Centros Acadêmicos de Letras, Psicologia, Comunicação Social, GPP e Filosofia, para discussão sobre ações conjuntas no sentido de atender às reivindicações dos estudantes do Setor II sobre os problemas enfrentados em relação à cantina. Estiveram presentes também, representando o DCE, os coordenadores gerais Júlio Balisa e Danyelle Guedes.

Coordenadores do DCE e dos Centros Acadêmicos do Setor II estiveram presentes
Após discussão entre os presentes, apurou-se trabalhar em duas frentes: a primeira, em relação à cantina, promover atividade de boicote questionando o tratamento dispensado aos estudantes pelo estabelecimento e a ausência de diversidade dos alimentos oferecidos. A segunda, em relação à Pro-Reitoria de Administração, entregar um abaixo-assinado a ser colhido durante o boicote, reivindicando mudanças no contrato para que o estabelecimento possa fornecer alimentos a preços inferiores.

Para o Coordenador Geral do DCE e estudante de Letras, Júlio Balisa, a reunião foi proveitosa. "Reunimos uma expressiva quantidade de Centros Acadêmicos e a sensação de todos nós é a mesma: a de que é preciso mobilizar o Setor II em uma grande e envolvente campanha. A cada dia que passa, são novas e mais intensas reclamações e precisamos responder a essa insatisfação", afirmou Júlio.

A próxima reunião do movimento será na quinta-feira, quando serão definidos os materiais que darão o tom da campanha de boicote e abaixo-assinado. O Coordenador de Finanças do CAGPP, Thiago Lima, ressaltou o clima de unidade e politização. "Faremos uma campanha organizada e objetiva. Queremos resultados e o compromisso de ambos os lados - universidade e cantina - de que este espaço será, de fato, usado para atender os nossos anseios, o que não acontece hoje, nem sob a ótica do espaço físico, nem da alimentação e nem do tratamento que merecemos que seja respeitoso", concluiu.

Da Redação

#RevoltadoBusão: Militantes de partidos políticos e movimentos sociais são investigados pela polícia potiguar

Do blog de Daniel Dantas

O RN parece viver tempos sombrios.  Como nos dias da ditadura, militantes políticos - de partidos e movimentos sociais - são investigados e monitorados pela Polícia devido à sua ação pública.

No contexto da investigação sobre a queima de ônibus durante a #RevoltadoBusao em setembro passado, eu e outros companheiros fomos elevados à categoria de investigados pela Polícia - ainda que não esteja exatamente claro qual crime a nós é atribuído, a não ser a cobertura ou a participação nos eventos.

Interrogado pela Polícia, Felipe Serrano foi instado a responder se conhecia algum dos militantes sob investigação - como nos inquéritos dos tempos da ditadura.
Lista de perfis do Facebook monitorados pela Polícia Civil na investigação. 
No fim de agosto e início de setembro do ano passado, Natal foi revirada pela #RevoltadoBusao.  Estudantes e militantes de diversos movimentos sociais tomaram as ruas da cidade em um movimento organizado contra o aumento das passagens de ônibus - que passaram de R$ 2,20 a R$ 2,40.
  
O primeiro protesto, em 29 de agosto, saiu das proximidades do Natal Shopping e seguiu rumo ao Midway Mall.  Na esquina das avenidas Antônio Basílio e Salgado Filho, o Batalhão de Choque esperava os estudantes.  Ainda que o comandante da PM, Coronel Araújo, tenha dito em entrevista à tevê que os policiais haviam disparado apenas uma bomba de efeito moral e os estudantes seriam responsáveis pela derrubada de um fio de energia, os vídeos postados no Youtube comprovaram o contrário.

O episódio da violência desmedida da polícia reprimindo a manifestação fez com que o protesto de dois dias depois, 31 de agosto, foi bem maior e percorreu cerca de 14 quilômetros em Natal.

No início de setembro a Câmara Municipal revogou o aumento concedido pelo Executivo - dando a impressão de que, mais uma vez, a ação popular nas ruas da cidade teria sido vencedora.

No entanto, para a surpresa de todos, os empresários resolveram suspender as gratuidades do sistema alegando que a suspensão do aumento lhes provocou desequilíbrio econômico-financeiro.

É nesse contexto que ocorre o protesto do dia 18 de setembro.  Sobre ele, escrevi diversos textos - como aqui, em que responsabilizei o Seturn pelo endurecimento da disputa política.  Sobre os eventos da noite, dois textos - aqui e aqui.  Nessa noite, dois ônibus foram incendiados e a culpa foi atribuída aos manifestantes.  O professor Felipe Serrano foi preso e espancado pela PM - ao ponto de ter um dedo quebrado.

No dia 20 de setembro, já noticiávamos que o governo do Estado havia constituído uma comissão de três delegados especiais para investigar a #RevoltadoBusao.  Naquele momento, questionei o porquê tanta deferência ao movimento: "Afinal, três delegados para investigar manifestações sociais e a incapacidade de resolver crimes de morte ou desaparecimentos, como o do irmão do jornalista Cezar Alves, mostra que tem uma coisa muito errada aqui".
Além disso, desconhece-se tanta energia e atenção para a apuração de chacinas ou homicídios.  No 14a DP, em Natal, por exemplo, em 2012 foram instaurados 57 inquéritos de homicídio, tendo apenas quatro sido elucidados - graças à confissão dos culpados.
E como esta sendo conduzida a investigação contra os militantes da #RevoltadoBusao?
Em 6 de dezembro passado, por exemplo, escrevi sobre a abordagem violenta da polícia contra Juan 
Drugue:
 Juan Drugue foi agressivamente abordado, há dois dias, por PMs na Cidade da Esperança.  Ativista da #RevoltadoBusao, Juan foi interrogado, na mala da viatura que o conduzia até sua casa.  E fotografado.Os PMs que o detiveram registraram imagens de suas tatuagens.Sabiam o conteúdo de postagens que o jovem havia postado em redes sociais.Queriam confirmar nomes de supostos líderes do movimento que conduziu a #RevoltadoBusao.  Questionaram pelo menos um nome: o de Dayvsoon Moura, assessor do vereador Raniere Barbosa (PRB). Deram mostras que investigam e monitoram militantes políticos e sociais da cidade de Natal.  Conhecem seus passos - ao ponto de abordarem Juan quando esperava ônibus para ir ao trabalho.Citaram nomes de expoentes mais midiáticos dos movimentos de rua em Natal.  O que demonstra que certamente seguem os passos de meia dúzia de blogueiros, como eu, que ousam pleitear justiça, paz e direitos nessa cidade.A PM se comporta como nos dias do Relatório Veras - que no governo Aluízio Alves mapeou os "subversivos" potiguares nos primeiros momentos pós-Golpe de 64.  Será que à revelia dos comandantes da corporação?  Da justiça?  Do governo?De agora em diante, fique claro, qualquer ação truculenta ou violenta contra militantes sociais, estudantis, ativistas da #RevoltadoBusao ou quaisquer outros movimentos de rua deve ser tributada à conta do comando da PM do RN.  Se algo acontecer contra Juan, Dayvsoon, suas famílias, nossas famílias, nós mesmos, que se questionem os PMs, mas que se responsabilize o comando da PM e o governo do estado.Queira Deus que nenhum de nós seja vítima de violência - senão será nossa PM nossa principal suspeita.
Ironicamente, a referência feita ao Relatório Veras, no qual o governo Aluizio Alves mapeou "subversivos" nos primeiros momentos pós-Golpe 64, parece cada vez menos despropositada. 

Ylloh Gabriel Silva, citado acima, ocupa diversas páginas no inquérito que investigou Felipe Serrano.  Ylloh prestará depoimento na delegacia de narcóticos, na investigação da #RevoltadoBusao.  Quando foi intimado a depor, seus pais viram os policiais revirarem seu quarto e, numa cena digna dos regimes de exceção, homens apontando suas armas, por sobre o muro, na direção do interior da casa, na clara intenção de intimidar o jovem e sua família.

Militantes sociais tratados como criminosos - assim como nos dias do Regime Militar.  A inteligência da Polícia Civil chegou a sugerir que fosse solicitado ao twitter, facebook e outras redes sociais informações suficientes para identificar os IPs dos usuários que postaram informações sobre a #RevoltadoBusao.  Não consta do inquérito se a quebra de sigilo foi ou não solicitada.

Diversos militantes foram ou estão sendo investigados e há, no inquérito, dossiês sobre alguns deles.  Como, por exemplo, a atual coordenadora do DCE da UFRN, Danyelle Guedes.

A UFRN merece uma atenção especial da Polícia Civil.  Além de ter a coordenadora do DCE sob investigação, lembremos da prisão da professora Sandra Erickson na noite de 18 de setembro - prisão que o blog transmitiu ao vivo - pelo único crime de perguntar à PM porque os ônibus estavam sendo desviados.  

Além disso, em um relatório de inteligência afirma-se, como que para criminalizar a própria estrutura da Universidade, que a chamada comissão de segurança da #RevoltadoBusao se utilizava de rádio walk-talkies - coisa que pessoalmente não vi em nenhum evento.  O relatório ainda registra a presença do professor Robério Paulino, ex-candidato a prefeito pelo PSOL, na delegacia para prestar assistência aos detidos na noite do protesto.

Enquanto homicídios superam um ano sem ser esclarecidos, o inquérito contra um dos investigados na #RevoltadoBusao já foi concluído.

A investigação contra Felipe Serrano se encerrou, a denúncia foi apresentada pelo MP e recebida pela justiça na última sexta-feira.

O governo do DEM reinaugurou o DOPS?